Gastroenterite

 

SINTOMAS

Náuseas, vômitos, febre, diarréia, dor abdominal e dores musculares. Sintomas agudos geralmente duram só 24 a 72 horas.

CAUSAS 

Gastroenterite é uma inflamação do trato gastrointestinal. Isso inclui tanto o estômago como os intestinos.

É geralmente causada por infecção por vírus (as vezes bacteria), alergias, estresse, irritação química ou medicamentos. Os antibióticos são uma causa freqüente, e enfraquecem o corpo de modo que o vírus pode atacar.

Esta doença é contagiosa, portanto, tenha cuidado. Lave as mãos com freqüência, esterilize toalhas, etc.

TRATAMENTOS NATURAIS

• Comece dando à pessoa de carvão ativado: Cada dose deve ser de 4 cápsulas, 8 comprimidos ou 1 a 2 colheres de chá de pó, mexido em um copo de água. Dê uma dose cada vez em que houver vômitos ou diarréia.

• Mantenha-o na cama e dar uma dieta líquida durante a fase aguda, enquanto há náuseas e vômitos. Durante o dia, dê pequenas quantidades de água ou sucos de frutas para ajudar a restaurar os líquidos perdidos.

• Não dê bebidas como refrigerantes, chá preto, café ou álcool, pois elas só irritam e intensificam os sintomas.

• Quando o vômito e a diarréia cessarem dê pequenas quantidades de alimentos não irritantes, como o arroz cozido, batatas cozidas simples, cenouras cozidas, banana ou maçã.

• Evite alimentos processados e gordurosos bem como o leite.

• Não apresse a pessoa a deixar a cama, pois os vômitos e a perda de líquidos podem tê-la enfraquecido.

• Especialmente em crianças pequenas e bebês, preste atenção aos sinais de desidratação. Estes sinais incluem sonolência, respiração rápida e pele e membranas secas. Isto é importante.

• Misturar 1 colher de mesa de folhas de chá de nepenta em um copo de água, deixe por 15 minutos e beba quente. Isto é um bom calmante para o sistema digestivo. Se vomitar em seguida, dê novamente, pois é mais susceptível de ser aceito.

• Se não se consegue manter os líquidos no estômago, pode-se fazer uso de pequenas quantidades de enemas salinos, para substituir os líquidos corporais perdidos. Usando 1 colher de mesa de sal por litro de água, injetar 30 a 60 ml. da solução no reto (usando mangueira específica para isso, geralmente encontrada nas farmácias). Então, segure as nádegas em conjunto por vários minutos. Faça isso a cada 1 a 2 horas, até quando houver melhora e a pessoa for capaz de tomar líquidos pela boca.

INCENTIVO

Deus tem muitas bênçãos para aqueles que O buscam. Você já pediu ajuda à Ele hoje? Aproveite e faça-o agora!

Fonte: Portal Natural

Gastroenterite Virótica

O que é a Gastroenterite Virótica?

gastroenterite virótica é uma infecção causada por vírus (existem vários), que ataca o estômago e o intestino delgado. Normalmente a doença é breve, durando de 1 a 3 dias.

Como acontece?

A gastrenterite é causada pela absorção de certos vírus. Os fluidos corporais de pessoas infectadas contêm o vírus até mesmo antes de os sintomas começarem. O vírus pode ser propagado através do contato direto com uma pessoa infectada (beijando-a ou apertando suas mãos, por exemplo) ou ao compartilhar copos, pratos, colheres, garfos, etc.

O vírus entra no estômago e intestino e inflama as mucosas destes órgãos que ficam temporariamente incapazes de exercer suas funções. O vírus pode fazer também com que o alimento se mova mais rapidamente através do canal gastrintestinal.

Algumas bactérias e outros pequenos organismos chamados protozoários podem causar infecções que apresentam sintomas semelhantes aos da gastroenterite.

Quais são os sintomas?

- fadiga
- arrepios
- perda do apetite
- náusea
- vômitos
- dor no estômago
diarréia
febre baixa
- dores musculares

A doença pode se desenvolver através de um período de horas ou pode iniciar de repente, começando com dores no estômago, vômitos ou diarréia.

Como ocorre o diagnóstico?

Seu médico verificará os sintomas, e pedirá exames de laboratório, quando necessário, para eliminar a possibilidade de doenças mais sérias e para detectar complicações, como a desidratação.

Como é procedido o tratamento?

A coisa mais importante a se fazer é descansar o estômago e os intestinos alimentando-se de forma leve e bebendo líquidos adequados. Crianças se desidratam com facilidade e desde o inicio do quadro podem começar a receber soro caseiro ou comprado em uma farmácia próxima.

Se estiver vomitando freqüentemente por muito tempo, precisará repor os minerais sódio e potássio, que se perdem. No caso de vômitos que não se controlam, deverá procurar um serviço medico, para o tratamento deste sintoma e a reposição do liquido que foi desta maneira perdido. Antieméticos (medicamentos que controlam o vômito), deverão ser indicados.

Outros líquidos leves incluem chá, suco de maçã, limonada, suco de caju, gelatina, etc. Evite líquidos ácidos (como suco de laranja) ou cafeinados (como o café) ou que sejam gasosos. Evite leite por um período. Bebês podem ser alimentados normalmente com suas mamadeiras, mas se for possível, substitua uma ou duas, apenas no período inicial, por um suco (de maçã, por exemplo), até notar uma melhor consistência das fezes.

Deve começar a comer alimentos leves quando não estiver mais vomitando e estiver sendo capaz de beber líquidos leves sem se sentir mal. Biscoitos de água e sal, torradas, macarrão e bananas são boas escolhas. Evite alimentos ácidos, temperados, gordurosos ou fibrosos (carnes, grãos, vegetais) e laticínios.

Às vezes o tratamento inclui medicamentos para prevenir náusea e vômito ou diarréia. Ao usar este tipo de medicação certifique-se da dose recomendada na embalagem.

Caso a criança fique seriamente desidratada, por causa dos vômitos ou diarréia, poderá ter que fazer reposição intravenosa de líquidos para evitar maiores complicações que ponham em risco a sua vida.

Quanto tempo duram os efeitos?

Raramente a gastroenterite dura mais que um a três dias. No entanto, levará de 1 a 2 semanas para que seus hábitos intestinais voltem completamente ao normal.

Procure seu médico se:

- Continuar a ter sintomas sérios por mais de 2 ou 3 dias.
- Sintoma mais leves persistirem por muitos dias (por exemplo, perda de apetite, náusea, diarréia).
- Perceber sintomas que normalmente não são causados pela gastroenterite, tais como vômito e diarréia com sangue.

Que cuidados devem ser tomados?

Descansar seu estômago e intestinos seguindo as regras mencionadas acima, prevenir a desidratação tomando líquidos em quantidade suficiente.

Como prevenir a Gastroenterite?

O único e mais eficaz meio de se prevenir a propagação da gastrenterite é lavar as mãos freqüentemente, também evitar o contato com fluidos corporais de pessoa infectada, inclusive a saliva, Evitar compartilhar objetos (como chupeta, copos, pratos, etc); não comer do mesmo prato que outra pessoa; evitar aglomerações; combater o calor com muito liquido e roupas leves; lavar exaustivamente frutas e verduras; ferver bicos e mamadeiras do seu bebe, várias vezes ao dia; nunca aproveitar alimentos velhos ou mal conservados, são algumas recomendações que podem prevenir o aparecimento da diarréia virótica.

Fonte: UOL Boa Saúde

Gastroenterite Bacteriana

 

Gastroenterite bacteriana - É uma inflamação do estômago e dos intestinos causada por bactérias.

Causas

Gastroenterite bacteriana pode afetar uma pessoa ou grupo de pessoas que consumiram todo o alimento mesmo contaminada. Ocorre com mais freqüência depois de comer em piqueniques, cantinas escolares e restaurantes.

Os germes podem introduzir os alimentos que as pessoas comem por:

  • Carne ou aves entram em contato com bactérias no intestino de um animal a ser processado.

  • A água, que pode conter o chorume ou contaminadas dejetos humanos.

  • Manipulação de alimentos ou preparações em mercearias, restaurantes ou casas.

A intoxicação alimentar ocorre com freqüência:

  • Toda a preparação dos alimentos é feito por alguém que não usa a técnica adequada para Igena mãos.

  • Todo o alimento cozido utilizando utensílios de cozinha, tábuas de corte, ou outros instrumentos que não são totalmente limpos

  • Lacticínios ou alimentos que contenham maionese (salada de repolho ou como salada de batata) que ficaram muito tempo na geladeira.

  • alimentos congelados ou refrigerados que não são armazenados na temperatura adequada ou não reaquecidos adequadamente.

  • peixe cru ou ostras.

  • frutas ou vegetais crus que não tenham sido bem lavadas.

  • vegetais crus ou sucos de frutas e produtos lácteos.

Muitos tipos diferentes de bactérias podem causar gastroenterites bacteriana, incluindo:

  • Campylobacter jejuni

  • Clostridium

  • E. coli

  • Salmonella

  • Shigella

  • Staphylococcus

  • Yersinia

Os sinais e sintomas

Cada organismo causa sintomas ligeiramente diferentes, mas todos resultam em diarréia. Outros sintomas incluem:

  • Cólicas abdominais

  • A dor abdominal

  • sangue nas fezes

  • Perda de apetite

Náuseas e vômitos

Diagnóstico

  • Apreciação de alimentos

  • Cultura de fezes

  • Os glóbulos brancos nas fezes

Esta doença também pode alterar os resultados dos seguintes exames:

  • Esfregaços fecais

  • Fezes de coloração de Gram

Tratamentos

Normalmente, os tipos mais comuns de gastroenterite bacteriana curar dentro de poucos dias. O objetivo do tratamento é evitar a desidratação.

  • Não comer alimentos sólidos até que a diarréia passou, evitar os produtos lácteos, o que pode piorar a diarréia.

  • Não consuma líquidos (exceto bebidas cafeinadas ou leite) para repor os líquidos perdidos através da diarréia e vômitos.

  • Para as crianças há uma solução eletrolítica vendido em farmácias.

Se tiver diarreia e são incapazes de ingerir líquidos (por exemplo, devido a náuseas ou vómitos), você pode precisar de cuidados médicos e administração de líquidos por via intravenosa. Isto é especialmente verdade para as crianças.

Para as causas mais comuns da gastroenterite bacteriana, o seu médico não irá prescrever antibióticos a menos que seja excepcionalmente diarréia grave.

Fonte: Poze Medicale

Gastroenterites agudas

 

Definição
Síndrome aguda caracterizada por diarréia (aumento da freqüência e/ou diminuição da consistência das evacuações) associada a náuseas, vômitos e desconforto abdominal, podendo ser causada por vírus, bactérias ou protozoários. 

Etiologia
Os principais agentes responsáveis dentre os vírus são adenovírus entérico, rotavírus, astro­vírus e calicivírus (em especial vírus Norwalk); dentre as bactérias são Staphylococcus aureus, Campylobacter jejuni, Clostridium perfringens, Escherichia coli (enterotoxigênica, enteropatogênica, enteroinvasiva e entero-hemorrágica), Salmonella spp, Shigella spp, Yersinia enteroco­litica e Vibrio cholerae; dentre os protozoários são Entamoeba histolytica, Cryptosporidium spp, Giardia lamblia eIsospora beli. A principal forma de transmissão é fecal-oral por contami­nação de mãos, água ou alimentos. Crianças e pacientes imunodeprimidos são mais suscetíveis. Os agentes causam diarréia por aderência, invasão mucosa, produção de enterotoxinas ou citotoxinas, levando ao aumento da secreção e à diminuição da absorção. Algumas das doenças são discutidas em capítulos à parte por sua importância em saúde coletiva, gravidade e/ou especificidade de quadro clínico [verAmebíase, Cólera, Giardíase, Diarréia crônica no imunodeprimido e Febre tifóide].

Cosmopolita, mantendo alta incidência em países desenvolvidos e sendo a principal causa de morte em países em desenvolvimento. Relaciona-se a baixo nível socioeconômico e falta de saneamento básico.

Clínica
A manifestação clínica varia com o agente etiológico, desde leve desconforto até estado crítico com risco de vida por desidratação, desequilíbrio hidreletrolítico e/ou sepse.

Infecções virais: os vírus são responsáveis por 50-70% das gastroenterites, particularmente em crianças institucionalizadas. O período de incubação geralmente varia entre 18 a 72 horas. Caracterizam-se por náusea e desconforto abdominal de início abrupto, seguidos de vômitos e diarréia. Febre baixa (37,5 oC) está presente em 50% dos casos. Alguns sintomas sistêmicos podem estar presentes, como cefaléia, mialgia, coriza aquosa, obstrução nasal. O quadro geral­mente é autolimitado, com duração média de 24 a 48 horas, podendo chegar a 14 dias.

Infecções bacterianas: respondem por 15-20% das gastroenterites. As enterobactérias são os principais agentes. Geralmente se manifestam de 0-8 dias após a ingestão alimentar, durando em média de 2-7 dias. Febre e calafrios são sin­tomas freqüentemente associados. Agentes en­teroinvasivos como Shigella spp, Campylobac­ter spp e Escherichia coliO157:H7 estão mais associados a quadros disentéricos (↑ sangue, ↑ leucócitos). Salmonella spp são mais associadas a sintomas sistêmicos e sepse, particularmente a S. typhi [ver Febre tifóide]. Na contaminação alimentar por S. aureus, a sintomatologia é causada pela ação de enterotoxina pré-formada. Há início abrupto de náuseas, vômitos e cólicas abdominais, sendo que diarréia aquosa pode aparecer de 30 minutos a 8 horas depois da ingestão alimentar. A diarréia geralmen­te não é intensa e pode ser acompanhada de febrícula. Regride geralmente em 24 horas. O Vibrio choleraecausa diarréia aquosa abundante (semelhante à água de arroz), náuseas, vômi­tos e desidratação, sem febre [ver Cólera].

Infestações parasitárias: geralmente causam sintomatologia mais branda e arrastada, exceto no hospedeiro imunocomprometido. Principais agentes: Entamoeba histolytica [ver Amebíase] e Giardia lamblia [ver Giardíase].Em pacientes com Aids e contagem de CD4 < 200 cels/mm3, lembrar de agentes oportunistas como Cryptosporidium parvum, Cyclospora cayetanensis, Isospora belli, Microsporidium, complexoMycobacterium avium-intracelulare e citomegalovírus. Pacientes neutropênicos podem desenvolver enterocolite por invasão mucosa porClostridium septicum, ou, menos freqüentemente, C. sordelli ou Pseudomonas aeruginosa. Em caso de pacientes em uso de antibioticoterapia de amplo espectro com diarréia volumo­sa associada ou não a sepse, pensar em diarréia por Clostridium difficile. 

Diagnóstico
Específico

  • Coprocultura, hemocultura em caso de suspeita de etiologia bacteriana. Informar os agentes prováveis para o cultivo em meios adequados.

  • Cultura dos alimentos supostamente contaminados, especialmente importante no caso de surto de gastroenterite por toxinas pré-formadas (S. aureus, Bacillus spp).

  • Exame protoparasitológico de fezes princi-palmente em quadros mais arrastados e em hospedeiro imunocomprometido.

  • Imunodiagnóstico: sorologia (ELISA e imu-nofluorescência indireta) para giardia, pesquisa de Cryptosporidium parvum nas fezes (ELISA), pesquisa de rotavírus nas fezes (ELISA), pesquisa das toxinas A e B do C. difficile nas fezes (ELISA).

  • Colonoscopia com biópsia: suspeita de citomegalovirose ou microsporidiose em imunocomprometidos.

  • Pesquisa de bacilos álcool-ácido resistentes e cultura para micobactéria em caso de suspeita de infecção por complexo Mycobacterium avium-intracelulare em paciente imunocomprometido com quadro mais arrastado e sintomatologia sistêmica.

 Inespecífico

  • A presença de leucócitos e/ou sangue nas fezes sugere patógeno invasivo.

  • Em caso de suspeita de desidratação ou per­da de eletrólitos por vômitos ou diarréia co­piosos, indica-se monitorização renal (uréia, creatinina, gasometria) e dosagem de eletró­litos (Na+/K+).

  • Quadros sistêmicos sugestivos de sepse indi­cam realização de hemograma completo.

Tratamento
Empírico (indicado apenas se diarréia grave, quadro disentérico e/ou febre)

  • Ciprofloxacina 500 mg 12/12 horas ou le-vofloxacina 500 mg/dia VO por 3-5 dias.

  • Sulfametoxazol-trimetoprim 960 mg 12/12 horas VO por 3-5 dias.

  • Em paciente com uso prévio de antibiótico, metronidazol 500 mg 8/8 horas VO por 10- 14 dias. Específico (indicado apenas se diarréia grave, quadro disentérico e/ou febre)

  • Campylobacter jejuni: azitromicina 500 mg/ dia VO por 3 dias ou ciprofloxacina 500 mg 12/12 horas VO por 3 dias.

  • Clostridium difficile: metronidazol 500 mg 8/8 horas VO ou vancomicina 125 mg 6/6 horas VO por 10-14 dias.

  • E. coli O157:H7: não tratar por maior risco de síndrome hemolítico-urêmica.

  • Salmonella spp: ciprofloxacina 500 mg 12/12 horas VO por 5-7 dias ou azitromicina VO 1 g no D1 e 500 mg/dia de D2-D7.

  • Shigella spp: ciprofloxacina 500 mg 12/12 horas ou levofloxacina 500 mg/dia VO por 3 dias ou sulfametoxazol-trimetoprim 960 mg 12/12 horas VO por 3 dias ou azitromicina VO 500 mg no D1 e 250 mg/dia de D2-D5.

  • Yersinia enterocolitica: (tratar somente casos graves): ciprofloxacina 500 mg 12/12 horas VO por 5-7 dias, também ceftriaxona EV. [verAmebíase, Cólera, Giardíase, Diarréia crônica no imunodeprimido, Febre tifóide].

Inespecífico

  • Hidratação oral ou parenteral se necessário.

  • Antitérmicos e antiespasmódicos.

Profilaxia 

  • Vacina oral contra rotavírus (VORH) faz parte do Esquema Básico de Vacinação do Brasil desde março de 2006. Administrar aos 2 e 4 meses de vida por via oral.

Fonte: Consultor Médico